Área do Cliente

O Presidente Michel Temer assinou a ratificação do Acordo de Paris, documento que prevê a redução na emissão dos gases poluentes que agravam o efeito estufa. Durante o evento no Palácio do Planalto, Temer afirmou que a preservação do meio ambiente é uma política de Estado e deve consistir no programa de todos os governos.

O acordo foi previamente aprovado por 197 países que participaram da 21ª Conferência do Clima de Paris (COP 21), da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, realizada no ano passado. Para entrar em pleno vigor, são necessários ao menos 55 países, que somem 55% das emissões globais, completem a ratificação do documento. No Brasil, o projeto precisou ser aprovado pela Câmara e Senado antes da assinatura do presidente.

O compromisso dos países que aderirem é de manter o aumento da temperatura média global em menos de 2°C, buscando limitar essa elevação a 1,5°C. As nações mais ricas deverão garantir financiamento de US$ 100 bilhões de dólares por ano para países em desenvolvimento, considerando as suas necessidades e prioridades. Entretanto, não há uma determinação em relação a datas e porcentagem de corte das emissões de gases-estufa, apenas que o acordo prevê a revisão do documento a cada cinco anos.

As metas brasileiras são de cortar emissões de gases poluentes em 37% até 2025, com previsão de redução de 43% até 2030. Esses comparativos são em relação aos índices de 2005. Durante o encontro com o G20 – grupo das 20 maiores economias –, Temer afirmou que todos os líderes demonstraram preocupação com questões ambientais em seus discursos

Dentre as medidas propostas para alcançar essas metas, o país terá que aumentar a participação de fontes renováveis na matriz energética, além de garantir a recuperação e reflorestamento de áreas desmatadas. O investimento em fontes de energia solar fotovoltaica, eólica e biomassa serão responsáveis pela diminuição da poluição atmosférica pela produção de energia. O Brasil também revelou o compromisso de acabar com o desmatamento da Amazônia Legal e a restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030. A meta mais ambiciosa prevê que até 2100 o país irá extinguir a emissão de gases poluentes na atmosfera, o que equivale a descarbonização total da economia.

A cerimônia de ratificação do Acordo de Paris contou com a presença do Ministro do Meio Ambiente e Ministro das Relações Exteriores, Sarney Filho, e José Serra, respectivamente. Sarney Filho acredita que é possível manter um crescimento econômico sustentável aliado à preservação ambiental. De acordo com dados do Ministério do Meio Ambiente, o Brasil é responsável por 2,48% das emissões de carbono no mundo. Para José Serra, o país precisa fortalecer investimentos nos setores energético, florestal e agropecuário, aproveitando das novas tecnologias.

Acordo

O Acordo de Paris aparece como uma esperança de realizar uma real mudança no cenário ambiental mundial. Pela primeira vez uma grande quantidade de países reconheceu que é necessário desacelerar a emissão de gases do efeito estufa. Apesar das metas de redução, cientistas criticam a ausência de objetivos específicos para longo prazo, até 2050, por exemplo, e também por não especificar quando as emissões devem para de subir. Vale ressaltar que o documento deixa aberto a possibilidade de inclusão de tais metas, pois prevê revisão a cada cinco anos.

Fontes:

http://oglobo.globo.com/sociedade/sustentabilidade/brasil-ratifica-acordo-de-paris-para-reduzir-emissoes-de-gases-estufa-20093780

http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/09/temer-assina-ratificacao-do-acordo-de-paris-em-cerimonia-no-planalto.html

http://www.brasil.gov.br/meio-ambiente/2016/09/brasil-ratifica-acordo-de-paris-nesta-segunda-12

http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-planalto/noticias/2016/09/saiba-o-que-e-o-acordo-de-paris-ratificado-pelo-governo-nesta-segunda-feira

Fonte imagem:

http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-planalto/imagens/2016/cerimonia-de-ratificacao-do-acordo-de-paris-sobre-mudanca-do-clima/cerimonia-de-ratificacao-do-acordo-de-paris-sobre-mudanca-do-clima-27/image_view_fullscreen

 

Compartilhe: